Alimentação inadequada pode aumentar colesterol ruim em crianças

Hábitos equivocados e abuso de alimentos industrializados e de fast food podem favorecer o surgimento da doença ainda na infância

Se engana quem pensa que colesterol alto é um problema só de adultos. A substância está presente na corrente sanguínea e, em quantidades elevadas, pode representar sérios riscos para a saúde também das crianças e adolescentes.

“O colesterol é formado por partículas de gordura que existem no nosso organismo e o colesterol ruim pode ser depositado nos vasos sanguíneos, levando a algumas doenças cardiovasculares”, explica a endocrinologista Tatiana Valente.

Hábitos alimentares inadequados, como não comer verduras, legumes e frutas e abusar de alimentos industrializados e fast food podem favorecer o surgimento da doença ainda na infância, além de problemas como obesidade, diabetes e hipertensão.

Esse tipo de alimentação contém quantidade elevada de conservantes, aromatizantes e sal, responsáveis por alergias e problemas gastrointestinais, e pouca fibra, que prejudica o bom movimento dos intestinos.

O colesterol pode ser checado a partir dos 10 anos de idade. Porém, se houver no histórico familiar pessoas com problemas de colesterol alto ou com doenças cardiovasculares em idade jovem, a dosagem deve ser iniciada antes, aos dois anos.

De acordo com a médica Elisabete Almeida, os pais e responsáveis devem estimular a adoção de hábitos saudáveis desde cedo.

“Nas refeições, uma das principais recomendações é que metade do prato da criança nas refeições principais seja preenchido com verduras e legumes (crus e cozidos) e que a outra metade seja preenchida com 1/4 de alimento rico em proteínas e 1/4 de alimentos ricos em carboidratos. O café da manhã e os lanches devem conter pelo menos um alimento rico em proteínas, um alimento rico em carboidratos e um alimento de origem vegetal, podendo ser frutas, verduras ou legumes”, explica.

Segundo a médica, a partir dos três anos os pais já podem acrescentar fibras na alimentação da criança, oferecendo frutas, legumes, verduras, cereais integrais e leguminosas. “As fibras ajudam a eliminar as gorduras, evitando que elas sejam absorvidas pelo organismo”.

Alimentação balanceada

Os alimentos que devem ser evitados no caso de a criança apresentar colesterol elevado são os de origem animal e as gorduras saturadas, que são sólidas na temperatura ambiente, como, por exemplo, a margarina. Quanto ao leite, deve-se preferir o semidesnatado ou o desnatado. “Além disso, as carnes e queijos devem ser magros, de preferência os brancos. Com os sorvetes, acostume seu filho com os de frutas e evite os de massa, pois tem gordura saturada e muito açúcar”, diz a médica.

No lanche da escola, a dica é optar por frutas inteiras ou picadas, sucos ou vitaminas de frutas, bebidas à base de leite desnatado, leite ou suco de soja ou iogurtes desnatados, sanduíches à base de pão integral, de centeio, de fibras ou de grãos, com queijo branco, peito de peru, tomate, alface e cenoura ralada. Além disso, biscoitos ou cookies integrais e bolos de cenoura com aveia e bolo de casca de banana.

Além da alimentação, as crianças devem brincar, pular, correr. Ou seja, fazer atividade física diariamente e evitar ficar muito tempo na TV, computador ou tablet, para ajudar no controle do colesterol.

Com informações do Governo do Estado de São Paulo

Publicado às 8h08

Receba notícias pelo celular clicando em www.circuitodenoticias.com.br/whatsapp e nos dê um oi para o cadastro